terça-feira, 19 de novembro de 2013

A nova geração

Meus mais jovens colegas de trabalho achando graça dos escândalos do PT. Rejubilam-se que as filiações ao partido tenham aumentado com a prisão de seus líderes. Como se dissessem: nada atinge o PT. São os mesmos que se escandalizam com o dinheiro público estadual sendo desperdiçado, são os que têm por missão fiscalizar os gestores públicos. Pode-se dizer que seu escândalo é só para inglês ver, é a atitude esperada da sociedade bem-pensante e que eles procuram imitar da melhor forma possível para subirem na vida. Criam procedimentos que, ao invés de melhorarem, pioram o serviço que prestam à sociedade, pois superficializam sua análise em nome de um cronograma de ferro; e depois, quando o estoque de contas a analisar se avoluma até o teto, são obrigados a, de anos em anos, instituírem mutirões para análises de contas antigas ou proclamarem que são iliquidáveis em razão de sua idade. O socialismo os impregna até a medula; não saberiam, contudo, se reconhecer socialistas, pois ninguém lhes apontou o dedo e os chamou assim; olham-se no espelho e ainda se consideram liberais, democratas, crentes nos valores republicanos, seja lá o que isso for. Mas nunca vermelhos; nunca apoiadores de genocídios, de globalismos empobrecedores e embrutecedores, de anulações ou inversões do Decálogo. Os de mais alta hierarquia não entendem como políticos que têm um “passado de luta” são colocados na cadeia e outros, como Maluf, ainda se encontram soltos; não conseguem imaginar a distância que separa um genocida de um ladrão. Não votam mais no PSDB (outro socialista, mas fabiano) porque é um partido que para eles é contra o concurso público e os servidores públicos, porque seu ideal de vida é um emprego no Estado e seus filhos têm que se empregar um dia... E assim marcham os novos funcionários públicos em seu esquerdismo por default, dia após dia, eleição após eleição, até que a grande ditadura extinga de uma vez os concursos, aparelhe a dedo o que restar de funções do Estado e os fuzile e a seus filhos por não serem totalmente vermelhos, mas conterem ainda alguns traços de outras cores em suas mentes.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Náusea

O sujeito faz todo um trabalho de pesquisa de fontes, com certeza desconcertado de a profecia indicar provações e destruições que ele mesmo percebe na Igreja ao redor de si, mas nas quais ele não quer ainda acreditar, porque lhe disseram que a primavera conciliar é muito bonita e evidente, e compara a tradução disponível com o texto original, achando que aquela não é fiel, por causa de meras opções legítimas do tradutor, que não desvirtuam o sentido do texto original, e como o blog onde inicialmente achou a profecia é da Tradição, e ele é um católico no máximo conservador, desses que não admitem que o Papa erre de maneira nenhuma, até quando se pronuncia em entrevistas com ateístas, quando põe um nariz de palhaço, ou ocasiões parecidas, ele opta então por fazer sua “própria” tradução, botando o mesmo adjetivo para a frente do mesmo substantivo, quando aquele vinha depois, e mantendo em 99% a tradução primordial, simplesmente porque um blog da Tradição não é de maneira nenhuma confiável e não deve merecer um link em sua postagem, do contrário seus leitores poderiam ser expostos a informações inconvenientes e passar a perceber que há realmente uma crise, que ela é profunda e que eles mesmos fazem parte do problema e não, da solução.
Esse tipo de coisa me dá náusea tremenda.

sábado, 2 de novembro de 2013

It makes me wonder...

Pode um anjo, cujo conhecimento de Deus é maior que o de todos nós reunidos, ensinar uma oração que pede a Deus a realização de uma heresia? Pode ele ensinar a pedir a Deus uma impossibilidade? A oração do anjo de Portugal tem um trecho onde se pede: “levai as almas todas para o céu”, que é a heresia da salvação universal. É diferente quando se pede a Deus misericórdia para a salvação de uma alma particular, que pode ou não se salvar; mas a salvação de todos não se pode pedir, pois Cristo mesmo falou dos que são mandados às trevas exteriores e da separação que ocorrerá no fim dos tempos. Ela não pode acontecer, e no entanto o anjo ensinou as crianças a pedirem assim. It makes me wonder...