segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

César Vidal - Os Maçons

Terminei hoje de ler o livro do protestante César Vidal, Os Maçons – a sociedade secreta mais influente da história. Trata-se de uma obra de introdução ao assunto, que não desce às profundezas dos detalhes, mas entusiasma o leitor a buscar mais informações em outros livros. Destaco as partes relacionadas a assuntos pouco tratados ainda como o papel dos “filhos da viúva” nos movimentos de independência da América Latina (como forma de enfraquecer a Espanha inimiga de Napoleão) e nas seitas e movimentos ocultistas contemporâneos como os Mórmons, o Adventismo, a Ciência Cristã, as Testemunhas de Jeová, a Teosofia e o satanismo de Aleister Crowley. O papel da maçonaria fica evidenciado em genocídios como o do Terror, a Comuna e o massacre dos armênios, assim como sua insistência de domínio político, na educação e entre os militares, tudo visto em vôo rasante. Um ponto negativo que achei foi a negação pelo autor da influência histórica exercida pelos judeus nas lojas, considerada como teoria da conspiração sem sentido, apesar de tudo que já foi publicado e comprovado documentalmente por autores sérios e de renome ao longo dos séculos; mas tal não é de se admirar considerando a simpatia do autor com esse povo oriental, talvez pela afinidade espiritual histórica entre judeus e protestantes (Lutero à parte), tendo inclusive Vidal recebido reconhecimento de organizações judaicas como a Fundação Hebraica e Yad-Vashem. Além disso, como protestante que é, trata a Igreja apenas como mais uma “confissão cristã” e considera as várias seitas como pertencentes ao cristianismo. A seu favor, cita as condenações da Igreja à maçonaria em bases espirituais como pertinentes e justificadas.
À parte essas pequenas máculas o livro deve ser lido, mas, repita-se, apenas como introdução a pesquisas posteriores, não como obra de referência.